voltar

Como fazer um bom roteiro

Postado em 20/03/2015 por Kings

Pois é… uma boa apresentação, assim como um filme, uma série de TV ou até mesmo uma novela, começa por um bom roteiro que, simplificando, nada mais é do que um caminho, com começo, meio e fim, para transmitir uma mensagem. Se bem feito, ele torna o apresentador, seja um profissional extremamente sério ou mais extrovertido, em um contador de histórias à lá Forest Gump.

 

O processo de criação dos slides só se dá após esse caminho estar devidamente traçado e sinalizado. Ou seja, uma apresentação de Power Point começa pelo Word, ou até com uma simples folha de papel, num processo exatamente igual ao de filmes, séries e novelas.

 

Etapa 1

 

Para começar e estruturar o raciocínio, respondemos a duas perguntas: qual a mensagem principal que o cliente quer passar? E quais são as mensagens secundárias, que darão apoio à principal? Por exemplo, imaginemos que um executivo do departamento de marketing de uma empresa queira apresentar à sua equipe o planejamento do próximo ano. São diversas metas que visam a muitos objetivos empresariais e comerciais. No entanto, a mensagem principal é uma: “queremos reduzir custos”. Partindo desta resposta, vêm as mensagens secundárias, os processos para reduzir custos e os benefícios que eles gerarão, em fim, os argumentos a favor da mensagem principal.

 

Etapa 2

 

Nesta etapa do roteiro, definimos um slogan, que por si só já é um resumão de toda a apresentação empresarial: “Menos custos por mais resultados”. Vale a pena fazer aquele esforço extra para bolar um slogan bem interessante e impactante, pois, de tudo o que o apresentador falar, ele é o mais forte pretendente a ser memorizado pela audiência.

 

Etapa 3

 

Em seguida, começamos a estruturar o raciocínio, definindo quais mensagens estarão no início, quais estarão no meio e quais estarão no fim. É o encadeamento lógico das ideias para se chegar a uma conclusão. Durante essa etapa, definimos também os recursos narrativos que utilizaremos em cada slide, que não são poucos: metáforas, analogias, questionamentos, provocação e por aí vai. São muitos recursos e possibilidades, que variam de acordo com o apresentador, público e outros fatores, como o ambiente, os recursos disponíveis, etc.

 

Etapa 4

 

Depois dessas 3 etapas inserimos os conteúdos de cada slide, com o texto e direção de arte. São dados, números, cases e todo o tipo de informação relevante que possa servir de pilar às mensagens do roteiro. Mas cuidado! Todo o conteúdo escolhido deve ser de extrema importância e precisa ser consistente, objetivo e conciso.

 

Etapa 5

 

E por último, mas não menos importante, vem a adequação da linguagem, afinal, você pode usar “medida monetária dos sacrifícios financeiros com os quais a organização tem que arcar” ou, simplesmente, “custo”. Facilite o entendimento.


 

Avenida Angélica, 2447 | 12º andar | Higienópolis, São Paulo, SP